Este espaço é seu anuncie aqui! 87 9 9962-6354 / 9 8164-4420

Garanhuns Bijuterias e Bianca Bijoux.

Garanhuns Bijuterias e Bianca Bijoux.

GF Presentes e Variedades Vendas em Atacado e Varejo.

GF Presentes e Variedades Vendas em Atacado e Varejo.

Informamos que Simulador de direção é obrigatório para tirar CNH a partir de 12/12/2016.

Informamos que Simulador de direção é obrigatório para tirar CNH a partir de 12/12/2016.

Casa do Côco.

Casa do Côco.
Rua Melo PeIxoto, 79 CeNtro Garanhuns PE

Rua do Ipiranga, 143 Boa Vista Garanhuns PE.

Rua do Ipiranga, 143 Boa Vista Garanhuns PE.

Volte a Sorrir Garanhuns PE.

Volte a Sorrir Garanhuns PE.

Rua Joaquim Nabuco 33 Centro Garanhuns PE.

Rua Joaquim Nabuco 33 Centro Garanhuns PE.

terça-feira, 25 de agosto de 2015

População é quem sofre com greve dos funcionários da Farmácia de Pernambuco


Desde o início da greve, pacientes não recebem medicamentos na Farmácia de PernambucoFoto: Clarissa Siqueira/Rádio Jornal
Os pacientes que dependem de medicamentos fornecidos pelo Governo de Pernambuco continuam sem poder pegá-los na Farmácia do Estado, na Praça Oswaldo Cruz, bairro da Boa Vista, área central do Recife. Os 110 funcionários terceirizados da empresa Adlim estão de braços cruzados contra o atraso do salário, vale-transporte e tíquete alimentação do mês de julho, desde a segunda-feira (24). 
Centenas de pacientes estão sendo prejudicados pela greve. O motorista Adiel Constantino, 47 anos, é um dos que está preocupado com a situação. Seu filho de 20 anos é diabético e precisa tomar insulina duas vezes ao dia, entre outros remédios.

"Recebemos [a medicação] através de ordem judicial, porque esta insulina não existe em qualquer farmácia e é muito cara. Uma ampola que dura cerca de 15 dias custa quase R$ 100", explica.

Segundo o diretor do Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Asseio e Conservação de Pernambuco (Stealmoaic), Edmilson Araújo, que representa a categoria, até agora, nem o governo nem a empresa se pronunciaram, nem deram previsão para o pagamento. "Os funcionários dizem que só voltam [a trabalhar] quando o pagamento sair", afirma. 

O sindicato patronal teria informado aos funcionários que o Governo do Estado deve R$ 200 milhões às empresas terceirizadas contratadas. Perguntada sobre as informações, a Secretaria Estadual de Saúde (SES) respondeu por meio de nota-padrão, em que dizia estar se esforçando para regularizar os repasses às empresas terceirizadas. 

Confira na íntegra:

"A Secretaria Estadual de Saúde (SES) informa que não tem medido esforços para regularizar os repasses às empresas terceirizadas que prestam serviço à rede estadual e vem mantendo diálogo com os servidores para que a situação seja resolvida de forma responsável, sem prejudicar os usuários do Sistema Único de Saúde.

Ne10


Nenhum comentário:

Postar um comentário