Este espaço é seu anuncie aqui! 87 9 9962-6354 / 9 8164-4420

Garanhuns Bijuterias e Bianca Bijoux.

Garanhuns Bijuterias e Bianca Bijoux.

Roberto dos Ônibus.

Roberto dos Ônibus.

Informamos que Simulador de direção é obrigatório para tirar CNH.

Informamos que Simulador de direção é obrigatório para tirar CNH.

Casa do Côco.

Casa do Côco.
Rua Melo PeIxoto, 79 CeNtro Garanhuns PE

Rua do Ipiranga, 143 Boa Vista Garanhuns PE.

Rua do Ipiranga, 143 Boa Vista Garanhuns PE.

Rua Joaquim Nabuco 33 Centro Garanhuns PE.

Rua Joaquim Nabuco 33 Centro Garanhuns PE.

Cia da Construção e Madeireira.

Cia da Construção e Madeireira.

King Lanternagem e Pintura.

King Lanternagem e Pintura.

terça-feira, 25 de agosto de 2015

População é quem sofre com greve dos funcionários da Farmácia de Pernambuco


Desde o início da greve, pacientes não recebem medicamentos na Farmácia de PernambucoFoto: Clarissa Siqueira/Rádio Jornal
Os pacientes que dependem de medicamentos fornecidos pelo Governo de Pernambuco continuam sem poder pegá-los na Farmácia do Estado, na Praça Oswaldo Cruz, bairro da Boa Vista, área central do Recife. Os 110 funcionários terceirizados da empresa Adlim estão de braços cruzados contra o atraso do salário, vale-transporte e tíquete alimentação do mês de julho, desde a segunda-feira (24). 
Centenas de pacientes estão sendo prejudicados pela greve. O motorista Adiel Constantino, 47 anos, é um dos que está preocupado com a situação. Seu filho de 20 anos é diabético e precisa tomar insulina duas vezes ao dia, entre outros remédios.

"Recebemos [a medicação] através de ordem judicial, porque esta insulina não existe em qualquer farmácia e é muito cara. Uma ampola que dura cerca de 15 dias custa quase R$ 100", explica.

Segundo o diretor do Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Asseio e Conservação de Pernambuco (Stealmoaic), Edmilson Araújo, que representa a categoria, até agora, nem o governo nem a empresa se pronunciaram, nem deram previsão para o pagamento. "Os funcionários dizem que só voltam [a trabalhar] quando o pagamento sair", afirma. 

O sindicato patronal teria informado aos funcionários que o Governo do Estado deve R$ 200 milhões às empresas terceirizadas contratadas. Perguntada sobre as informações, a Secretaria Estadual de Saúde (SES) respondeu por meio de nota-padrão, em que dizia estar se esforçando para regularizar os repasses às empresas terceirizadas. 

Confira na íntegra:

"A Secretaria Estadual de Saúde (SES) informa que não tem medido esforços para regularizar os repasses às empresas terceirizadas que prestam serviço à rede estadual e vem mantendo diálogo com os servidores para que a situação seja resolvida de forma responsável, sem prejudicar os usuários do Sistema Único de Saúde.

Ne10


Nenhum comentário:

Postar um comentário