Este espaço é seu anuncie aqui! 87 9 9962-6354 / 9 8164-4420

Garanhuns Bijuterias e Bianca Bijoux.

Garanhuns Bijuterias e Bianca Bijoux.

Roberto dos Ônibus.

Roberto dos Ônibus.

Informamos que Simulador de direção é obrigatório para tirar CNH.

Informamos que Simulador de direção é obrigatório para tirar CNH.

Casa do Côco.

Casa do Côco.
Rua Melo PeIxoto, 79 CeNtro Garanhuns PE

Rua do Ipiranga, 143 Boa Vista Garanhuns PE.

Rua do Ipiranga, 143 Boa Vista Garanhuns PE.

Rua Joaquim Nabuco 33 Centro Garanhuns PE.

Rua Joaquim Nabuco 33 Centro Garanhuns PE.

Cia da Construção e Madeireira.

Cia da Construção e Madeireira.

King Lanternagem e Pintura.

King Lanternagem e Pintura.

sexta-feira, 11 de setembro de 2015

Polícia procura pernambucana acusada de vender bebê por 2.500 reais a mulher de Goiás


Uma autônoma de 29 anos foi presa suspeita de compra um recém-nascido de 9 dias de vida, em Minaçu, no norte de Goiás. Segundo as investigações, ela pagou R$ 2,5 mil pela criança. Conversas feitas por meio de um aplicativo de mensagens mostraram a negociação da suspeita com a mãe do bebê

Segundo o delegado responsável pelo caso, Rhaniel de Almeida Pires, a mulher foi presa na terça-feira (8). “Ela foi ao hospital pedindo a Certidão de Nascido Vivo, para que pudesse registrar o bebê. A mulher disse que a criança tinha nascido no meio da estrada, durante uma viagem e depois não procurou o médico, por isso, não tinha o documento”, contou Pires.

Os funcionários da unidade desconfiaram da história da autônoma e ligaram para a polícia. Porém, ela saiu do local antes que os agentes chegassem. Em seguida, ela foi até a Secretaria de Saúde tentando conseguir o mesmo documento e, novamente, os servidores não acreditaram na história e também ligaram para os policiais. Ela foi presa na sede do órgão.

Na delegacia, a mulher confessou que o bebê não era dela, mas disse que “ganhou” a criança de uma mulher que mora em Caruaru (PE).

“Entretanto, essa informação não é verdadeira porque achamos diversas conversas dela com a mãe biológica da criança falando sobre depósitos em dinheiro e também comprovantes dessas transferências. Ela faz depósitos que somam R$ 2 mil e, quando foi buscar a criança, pagou mais R$ 500”, contou o investigador.

Nas conversas por um aplicativo de mensagens de celular, a mãe da criança diz que está aguardando o dinheiro para marcar o parto em um hospital da cidade. Na conversa, a suspeita responde: “Eu só estou esperando um lugar para fazer o depósito”.

Em outra conversa, a autônoma relata o medo do acordo não dar certo. “Estou com tanto medo de você não me dar esse bebê. Se você desistir ou tomar outra decisão, me avisa”, disse. Em resposta, a mãe biológica do recém-nascido disse: “Estou louca para resolver logo isso tudo. Já falei que vou entregar, então, por favor, não me enche mais”.


Conversa entre as duas mulheres via Whatsapp

Para a polícia, a suspeita disse que procurou na internet como conseguir um bebê doado e chegou até a mãe biológica da criança. “Isso é preocupante, porque mostra que existe um mercado de bebês e até mesmo de fácil acesso”, disse Pires.

A mulher disse que já tem três filhos biológicos, um adotado e que pegou esse recém-nascido para cuidar dele e não tinha nenhuma intenção de revendê-lo.

Ela vai ser indiciada por tentativa de falsidade ideológica, já que tentou registrar uma criança que não nasceu dela, e por receber uma criança mediante pagamento. Se condenada, as penas, somadas, podem chegar a 9 anos de prisão. Ela está presa no Presídio Municipal de Minaçu.

O delegado informou que ainda investiga a participação de outras pessoas no esquema de compra de recém-nascidos. Ele também vai entrar em contato com a polícia em Pernambuco para tentar localizar a mãe do bebê, que também pode responder pelo crime de recebimento de dinheiro para entregar crianças a terceiros.

Com informações do G1/PE


Nenhum comentário:

Postar um comentário