Este espaço é seu anuncie aqui! 87 9 9962-6354 / 9 8164-4420

Garanhuns Bijuterias e Bianca Bijoux.

Garanhuns Bijuterias e Bianca Bijoux.

GF Presentes e Variedades Vendas em Atacado e Varejo.

GF Presentes e Variedades Vendas em Atacado e Varejo.

Informamos que Simulador de direção é obrigatório para tirar CNH a partir de 12/12/2016.

Informamos que Simulador de direção é obrigatório para tirar CNH a partir de 12/12/2016.

Casa do Côco.

Casa do Côco.
Rua Melo PeIxoto, 79 CeNtro Garanhuns PE

Rua do Ipiranga, 143 Boa Vista Garanhuns PE.

Rua do Ipiranga, 143 Boa Vista Garanhuns PE.

Volte a Sorrir Garanhuns PE.

Volte a Sorrir Garanhuns PE.

Rua Joaquim Nabuco 33 Centro Garanhuns PE.

Rua Joaquim Nabuco 33 Centro Garanhuns PE.

sábado, 10 de outubro de 2015

Polêmica: Sargento da Polícia Militar é preso por ter saído do quartel pra socorrer o filho especial


Por Leidemar Oliveira  O Ministério Público da Justiça Militar decidiu arquivar o processo contra o sargento da Polícia Militar identificado como Amadeu. O inquérito foi aberto após o pedido de prisão do PM por ter deixado o posto onde trabalha para socorrer o filho, que estava passando mal.
A criança possui necessidades especiais e precisou de atendimento no momento em que o pai dava expediente no 24º batalhão, localizado na Avenida Independência, no bairro do Bengui, em Belém. Ao sentir falta do policial, a oficial tenente da PM Kátia deu voz de prisão a Amadeu. O episódio ocorreu na noite da última quinta-feira e ganhou grande repercussão nas redes sociais.
A maioria dos internautas defendeu o PM, afirmando que ele agiu pela urgência no atendimento do filho. “Queria ver se o que prendeu tivesse um filho especial. Só quem tem um membro familiar especial sabe que a preocupação e o cuidado é dobrado. Quanta injustiça!”, disse uma internauta. Outros criticaram a postura do policial. “Leigos, não entenderam, pois não sabem sobre hierarquia militar. Militares respondem por abandonar o posto”, disse outro internauta.
Segundo o promotor da Justiça Militar, Armando Brasil, a tenente agiu certo em dar a voz de prisão, uma vez que, pela Lei, nenhum policial pode abandonar o posto sem autorização do seu superior. No entanto, o promotor Brasil considera que a punição não se aplica devido às circunstâncias que levaram Amadeu a agir dessa forma. “O sargento, de fato, cometeu um crime militar. Mas optamos pelo arquivamento, pois qualquer pai agiria da mesma forma”, destacou Armando Brasil

Nenhum comentário:

Postar um comentário