Este espaço é seu anuncie aqui! 87 9 9962-6354 / 9 8164-4420

Local do Som Equipadora e Auto Center.

Local do Som  Equipadora e Auto Center.
Garanhuuns-PE

Garanhuns Bijuterias e Bianca Bijoux.

Garanhuns Bijuterias e Bianca Bijoux.

Roberto dos Ônibus.

Roberto dos Ônibus.

Casa do Côco.

Casa do Côco.
Rua Melo PeIxoto, 79 CeNtro Garanhuns PE

Rua do Ipiranga, 143 Boa Vista Garanhuns PE.

Rua do Ipiranga, 143 Boa Vista Garanhuns PE.

Rua Joaquim Nabuco 33 Centro Garanhuns PE.

Rua Joaquim Nabuco 33 Centro Garanhuns PE.

Cia da Construção e Madeireira.

Cia da Construção e Madeireira.

King Lanternagem e Pintura.

King Lanternagem e Pintura.

quinta-feira, 5 de novembro de 2015

CRISE BOSCH ESTUDA TRANSFERIR PARTE DA PRODUÇÃO EM SOLO BRASILEIRO PARA A ÍNDIA

0
A Bosch avalia transferir para a Índia a produção de uma bomba injetora que hoje é fabricada naCidade Industrial de Curitiba (CIC). A empresa afirma que a decisão ainda não está tomada, mas admite que os custos de produção no Brasil – e, em especial, no Paraná – aumentaram muito nos últimos anos e sofrem forte concorrência de países como a própria Índia.
O produto em questão é a bomba injetora VE, usada em tratores e colheitadeiras, que responde por 15% da produção total da Bosch em Curitiba. A maior parte do que é produzido aqui vai para países da Europa e da Ásia, onde está concentrada a demanda.
Antes localizada em Campinas (SP), a produção da bomba VE foi deslocada para Curitiba em 1998, segundo Edson Antônio dos Anjos, diretor do Sindicato dos Metalúrgicos da Grande Curitiba (SMC). “Mas nos últimos anos a produção diminuiu bastante, e o número de trabalhadores dessa linha, também”, diz.
Funcionários da unidade paranaense contam já estar tratando da transferência com colegas indianos. Uma das dificuldades nesse processo é o fuso horário – a diferença entre os dois países é de sete horas. Segundo o diretor do SMC, a transferência deve ser concluída até o primeirotrimestre de 2016.
A eventual transferência se encaixa na nova estratégia global da Bosch, de abastecer seus mercados consumidores com produção local. Em meados de 2014, por exemplo, a fábrica de Curitiba passou a produzir injeções eletrônicas a diesel, componentes que antes eram feitos nos Estados Unidos e exportados para o Brasil.
“A transferência de um produto de uma unidade para outra, seja dentro ou fora do Brasil, depende, entre outros fatores, da competitividade da atual unidade fabril e da demanda local. A Bomba Injetora VE é um produto com demanda localizada na Ásia e na Europa, e a competitividade para produção no Brasil sofre forte concorrência com países como a Índia”, disse, em nota, o gerente de recursos humanos da Bosch Curitiba, Duilo Damaso.

Demissões

Caso deixe de produzir a bomba VE, a unidade da CIC provavelmente demitirá funcionários, a não ser que conquiste outro produto nas concorrências internas promovidas pela Bosch. O problema é que produzir no Brasil ficou muito caro. No Paraná, mais caro ainda.
“Esta decisão [transferência da produção] ainda não está tomada. Mas, caso ocorra, adequar a nossa competitividade será de fundamental importância para atrair outro produto para esta unidade fabril, se quisermos manter o nível de ocupação”, afirmou Damaso. “Mas é fato que os custos de produção no Brasil, e em especial no Paraná, sofreram acréscimos nos últimos anos muito acima do resto do mundo.”

Portas fechadas

A perda de competitividade foi um dos motivos que levou a Bosch a encerrar as atividades de sua subsidiária Metapar, também instalada em Curitiba, que fabricava peças usinadas para bombas injetoras a diesel. Com o fechamento da empresa, em setembro, 145 funcionários foram demitidos.
Gazeta do Povo

Nenhum comentário:

Postar um comentário