Este espaço é seu anuncie aqui! 87 9 9962-6354 / 9 8164-4420

Garanhuns Bijuterias e Bianca Bijoux.

Garanhuns Bijuterias e Bianca Bijoux.

Roberto dos Ônibus.

Roberto dos Ônibus.

Informamos que Simulador de direção é obrigatório para tirar CNH.

Informamos que Simulador de direção é obrigatório para tirar CNH.

Casa do Côco.

Casa do Côco.
Rua Melo PeIxoto, 79 CeNtro Garanhuns PE

Rua do Ipiranga, 143 Boa Vista Garanhuns PE.

Rua do Ipiranga, 143 Boa Vista Garanhuns PE.

Volte a Sorrir Garanhuns PE.

Volte a Sorrir Garanhuns PE.

Rua Joaquim Nabuco 33 Centro Garanhuns PE.

Rua Joaquim Nabuco 33 Centro Garanhuns PE.

Cia da Construção e Madeireira.

Cia da Construção e Madeireira.

King Lanternagem e Pintura.

King Lanternagem e Pintura.

terça-feira, 24 de novembro de 2015

GOVERNO ESTUDA ADIAR O REAJUSTE DO SALÁRIO MINIMO EM 2016

Foto: NE10

Da Agência O Globo
Preocupada em garantir a realização do esforço fiscal prometido para 2016, de R$ 43,8 bilhões, ou 0,7% do PIB, a equipe econômica está discutindo a possibilidade de adiar os reajustes do salário mínimo e dos servidores no ano que vem. Dois interlocutores da equipe confirmaram ao Globo que a ideia seria passar o reajuste do mínimo de janeiro para maio. Já no caso dos servidores, a proposta em debate seria passar a aumento dos salários de agosto para dezembro. As duas ações seriam uma forma de reduzir os gastos do governo para compensar a frustração de receitas que não devem se confirmar.
Para conseguir fechar as contas do ano que vem, o governo precisa, entre outras coisas, aprovar no Congresso a recriação da CPMF e o projeto da repatriação, que permite a legalização de recursos que foram enviados ao exterior sem aviso à Receita Federal. No entanto, essas propostas estão emperradas e já não devem mais resultar na arrecadação esperada originalmente.
No caso da CPMF, por exemplo, a Receita já enviou ao Congresso uma mensagem dizendo que a arrecadação inicial, estimada em R$ 32 bilhões com a contribuição, agora é de R$ 24 bilhões. No entanto, dependendo de quando a medida for aprovada e entrar em vigor, o valor pode ser menor. Se a cobrança começar a vigorar em agosto, por exemplo, o montante cairá para apenas R$ 1,847 bilhão.
O adiamento dos reajustes não é consenso. Uma parte da equipe econômica acredita que o adiamento provocará um desgaste político muito grande e não resolverá o problema do Orçamento de 2016. Além disso, a medida iria derrubar ainda mais a atividade econômica num ano em que o Produto Interno Bruto (PIB, soma de bens e serviços produzidos no país) terá uma nova retração. Pelas contas do governo, a queda será de 1,9%.

Nenhum comentário:

Postar um comentário