Este espaço é seu anuncie aqui! 87 9 9962-6354 / 9 8164-4420

Garanhuns Bijuterias e Bianca Bijoux.

Garanhuns Bijuterias e Bianca Bijoux.

Roberto dos Ônibus.

Roberto dos Ônibus.

Informamos que Simulador de direção é obrigatório para tirar CNH.

Informamos que Simulador de direção é obrigatório para tirar CNH.

Casa do Côco.

Casa do Côco.
Rua Melo PeIxoto, 79 CeNtro Garanhuns PE

Rua do Ipiranga, 143 Boa Vista Garanhuns PE.

Rua do Ipiranga, 143 Boa Vista Garanhuns PE.

Rua Joaquim Nabuco 33 Centro Garanhuns PE.

Rua Joaquim Nabuco 33 Centro Garanhuns PE.

Cia da Construção e Madeireira.

Cia da Construção e Madeireira.

King Lanternagem e Pintura.

King Lanternagem e Pintura.

quinta-feira, 12 de maio de 2016

Falsa empresa de Londrina movimentou R$ 500 milhões em esquema criminoso

PR-Policial.

sirene-1
O Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco) deflagrou na manhã desta quinta-feira (12) a quinta etapa da Operação Publicano em Londrina e Quatiguá, no Norte Pioneiro. Foram expedidos quatro mandados de prisão preventiva, 20 de condução coercitiva, 14 medidas cautelares para colocação de tornozeleiras eletrônicas e 36 mandados de busca e apreensão. A operação recebeu o nome de ‘Duroc’, em alusão a uma raça de porco.
O auditor Luiz Antônio de Souza, a esposa e a irmã dele, e um empresário de Quatiguá foram presos. Souza, que foi o principal delator da operação, perdeu o acordo de delação premiada por ter mentido e por permanecer cometendo os crimes mesmo estando detido.
Nesta fase, a investigação chegou a empresários, autoridades e laranjas envolvidos em um esquema de cobrança de propinas na Receita Estadual do Paraná. Os mandados abrangem outras nove cidades: Curitiba, Maringá, Assaí, Joaquim Távora, Siqueira Campos, Quatiguá (todas no Paraná), Campo Grande (Mato Grosso do Sul), Fartura e Barão de Antonina (ambas no estado de São Paulo).
De acordo com o MP, o empresário de Quatiguá pagava R$ 100 mil por mês aos auditores para manter o esquema funcionando. Em pouco mais de um ano, o Ministério Público apurou que as empresas movimentaram cerca de R$ 1 bilhão entre os anos de 2013 e 2015. Apenas uma instituição fictícia de Londrina movimentou R$ 500 milhões no esquema criminoso. Dos auditores detido, sete já são réus em ações originadas da Publicano.
Associaçao 3

Nenhum comentário:

Postar um comentário