QUER ANUNCIAR NO BLOG Ligue 87 9 9962-6354 / 9 8164-4420

QUER ANUNCIAR NO BLOG Ligue 87 9 9962-6354 / 9 8164-4420

Local do Som Equipadora e Auto Center.

Local do Som  Equipadora e Auto Center.

Casa do Côco.

Casa do Côco.

Cia da Construção e Madeireira.

Cia da Construção e Madeireira.

Rua do Ipiranga, 143 Boa Vista Garanhuns PE.

Rua do Ipiranga, 143 Boa Vista Garanhuns PE.

Roberto dos Ônibus.

Roberto dos Ônibus.

Rua Joaquim Nabuco 33 Centro Garanhuns PE.

Rua Joaquim Nabuco 33 Centro Garanhuns PE.

Prime Rastreamento Proteção Automotiva, Clique na Imagem e Acesse o Site da Prime.

King Lanternagem e Pintura.

King Lanternagem e Pintura.

quarta-feira, 8 de junho de 2016

Preço do feijão pode chegar até R$ 12 por conta da seca



O feijão carioca, um dos itens básicos da alimentação das famílias brasileiras, já é considerado o vilão da cesta básica por especialistas que monitoram o custo de vida. Problemas com a seca têm feito os preços dispararem. E a situação deve piorar. O custo do quilo nos supermercados poderá chegar a R$ 12, nos próximos meses. Em relação ao valor já cobrado hoje, de até R$ 8, a alta ainda será de 50%. Segundo o Instituto Brasileiro do Feijão, a variação do valor da saca de 60 quilos do carioquinha chegou a 221%, de janeiro a maio deste ano.

O preço do feijão preto, preferido dos cariocas, também sofrerá um novo aumento, podendo chegar a R$ 8 o quilo, já em julho. Segundo a Bolsa de Gêneros Alimentícios, o produto já é vendido a R$ 5, com tendência de alta nas próximas semanas. A elevação daqui para frente, portanto, deverá ser de 60%. De abril a maio, o custo da saca de 60 quilos variou 100%.
— Os lugares do país que mais consomem feijão vão sofrer com a alta, que inevitavelmente será repassada aos consumidores. Os preços ficarão altos ao longo deste ano — disse Marcelo Luders, presidente do Instituto Brasileiro do Feijão.
A elevação acelerada nos preços está associada a questões climáticas que prejudicaram produtores do Paraná, do Centro-Oeste e do Norte de Minas Gerais, de acordo com Sandra Hetzel, analista de mercado da consultoria especializada Unifeijão. O alimento foi um dos que pesaram na alta do custo de vida do mês passado, no Brasil. A inflação do produto medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de abril foi de 4%.
— Já falta produto nos mercados, logo, o feijão fica mais caro ao consumidor. É reação em cadeia — disse Sandra.

Uma saca de 60 quilos do carioquinha, que era vendido à indústria por R$ 140, em janeiro, chegou a R$ 450, em maio. No caso do feijão preto, de abril para maio, o preço da saca foi de R$ 115 para R$ 230.
Atenta ao mercado, a auxiliar administrativo Bianca Viana, de 38 anos, se queixa.
— Há três meses, eu percebi uma forte alta nos preços. Agora, para comprar feijão carioca ou preto, só em promoção — afirmou a consumidora.

Supermercados já repassam custos a consumidores
Nos mercados do Rio a alta no preço do feijão já assusta. Nesta terça-feira, numa pesquisa feita pelo EXTRA, o quilo do carioquinha variava de R$ 7 a R$ 8. O quilo do preto custava de R$ 5 a R$ 6. Apesar de todos os indicativos de novas altas, a Associação de Supermercados do Rio (Asserj) não acredita numa elevação tão forte de agora em diante.
— Já começamos a sentir o aumento de preço do feijão, mas não ousaria dizer que chegará a R$ 12. O varejo formata parcerias com os fornecedores para que o repasse seja o menor possível, sobretudo em momento de crise — disse o presidente da Asserj, Fábio Queiroz.
Já o militar da reserva Sebastião Salvador, de 55 anos, garante que vê o preço do feijão subir desde o começo do ano:
— Já está muito caro e parece que vai encarecer ainda mais.
Segundo a Associação Paulista de Supermercados (Apas), os alimentos, de maneira geral, devem pesar no orçamento familiar ao longo de 2016. De acordo com Rodrigo Mariano, gerente de Economia e Pesquisa da entidade, o almoço em família ficará mais caro, sim:
— Outro alimento importante da cesta básica, como o arroz, deverá acompanhar a aceleração dos preços e subir nos próximos meses. Além disso, não é cultura do brasileiro substituir o feijão por outro grão similar. Assim, a demanda continuará alta, e a oferta não acompanhará a procura


fonte http://extra.globo.com/

Nenhum comentário:

Postar um comentário

QUER ANUNCIAR NO BLOG Ligue 87 9 9962-6354 / 9 8164-4420