Anuncie aqui!

Anuncie aqui!
QUER ANUNCIAR NO BLOG: E-mail: agresteemalerta@gmail.com Fone: (87) 9 8812-6217 WhatsApp

PRIME RASTREAMENTO E PROTEÇÃO AUTOMOTIVA

PRIME RASTREAMENTO E PROTEÇÃO AUTOMOTIVA

Sandro refeições

Sandro refeições

Cia da Construção e Madeireira.

Cia da Construção e Madeireira.

Stop Lanches o Melhor Lanche da cidade

Stop Lanches o Melhor Lanche da cidade
Org: Maciel.

Eletrônica Pc Games

Eletrônica Pc Games
Pop-shop Garanhuns

Rua Joaquim Nabuco 33 Centro Garanhuns PE.

Rua Joaquim Nabuco 33 Centro Garanhuns PE.
Rua Joaquim Nabuco 33 Centro Garanhuns PE.

Maluquinha preço único

Maluquinha preço único
Avenida Santo Antônio, Centro Garanhuns-PE

terça-feira, 19 de março de 2019

TJPE ordena soltura de quadrilha presa com fuzis e armas roubadas os policiais ainda irão responder por tortura segundo o magistrado


Juiz também determina a tomada de providências na SDS por conta de relatos de tortura e agressão sofridas pelos presos.

Os cinco homens presos durante a operação da Polícia Militar no Cabo de Santo Agostinho que apreendeu 18 armas — entre elas dois fuzis AR-15, uma metralhadora e pistolas automáticas, parte delas roubadas da Polícia Civil e da Secretaria de Ressocialização de Pernambuco — foram soltos por decisão da Justiça após a realização da audiência de custódia. A quadrilha, flagrada na segunda-feira (17), seria um braço da facção criminosa Trem Bala, envolvida em vários crimes ocorridos na Região Metropolitana do Recife.

Além da soltura dos presos, o TJPE também ordena, na decisão, que a Corregedoria da Secretaria de Defesa Social (SDS) de Pernambuco seja oficiada para a adoção de medidas por conta de relatos dos presos denunciando a prática de tortura e agressão por parte dos policiais envolvidos na operação que culminou com o flagrante.

De acordo com a decisão, assinada pelo juiz do Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE) Otávio Padilha, o relaxamento das prisões seguiu posicionamento do membro do  Ministério Público de Pernambuco (MPPE) presente na audiência. O texto justifica que “não se encontram presentes os requisitos autorizadores da decretação da prisão preventiva dos autuados. Também não se vislumbram existentes outros elementos concretos que justifiquem a conversão de suas respectivas prisões em flagrante em preventivas”.

O magistrado também avaliou que a manutenção da prisão não se justifica por não haver registro de que os autuados tenham envolvimento em processos criminais anteriores e por não ter sido registrada tentativa de fuga no momento da abordagem policial. “A prisão em flagrante dos autuados foi efetivada e cumpriu seu desiderato, ao fazer cessar a atividade aparentemente criminosa e desencadear a persecução penal. As armas e drogas foram apreendidas e estão sob custódia do Estado”, afirma o juiz.

Op9

Um comentário:

  1. só faltou esse senhor juiz entregar aos bandidos às armas e as drogas.QUE MERDA de país e este.

    ResponderExcluir

QUER ANUNCIAR NO BLOG Ligue 87 9 9962-6354 / 9 8164-4420

J&N CARNES

J&N CARNES