Este espaço é seu anuncie aqui! 87 9 9962-6354 / 9 8164-4420

Garanhuns Bijuterias e Bianca Bijoux.

Garanhuns Bijuterias e Bianca Bijoux.

GF Presentes e Variedades Vendas em Atacado e Varejo.

GF Presentes e Variedades Vendas em Atacado e Varejo.

Informamos que Simulador de direção é obrigatório para tirar CNH a partir de 12/12/2016.

Informamos que Simulador de direção é obrigatório para tirar CNH a partir de 12/12/2016.

Casa do Côco.

Casa do Côco.
Rua Melo PeIxoto, 79 CeNtro Garanhuns PE

Rua do Ipiranga, 143 Boa Vista Garanhuns PE.

Rua do Ipiranga, 143 Boa Vista Garanhuns PE.

Volte a Sorrir Garanhuns PE.

Volte a Sorrir Garanhuns PE.

Rua Joaquim Nabuco 33 Centro Garanhuns PE.

Rua Joaquim Nabuco 33 Centro Garanhuns PE.

terça-feira, 29 de setembro de 2015

Mais um corpo é encontrado em casa de suposto 'serial killer' de São Paulo

                      Polícia achou corpos e ossada na casa de suspeito na Zona Sul de SP.
                      Pintor preso suspeito de assassinato já cumpriu pena por dois homicídios.



                                                                         
                                         Pintor teria confessado ter matado Carlos Neto Alves
                                                       de Matos Júnior, segundo a polícia

O pintor Jorge Luiz Morais de Oliveira, de 41 anos, preso na sexta-feira (25) suspeito da morte de um jovem de 21 anos já cumpriu pena por dois homicídios, segundo a polícia civil. Na casa dele, no Jabaquara, Zona Sul de São Paulo, além do corpo de Carlos Neto Alves Júnior, a polícia encontrou o cadáver ou restos mortais de pelo menos outras três pessoas que ainda não foram identificadas.
O acusado está preso temporariamente no 77º Distrito Policial, segundo a Secretaria de Segurança Pública (SSP).
Segundo policiais que fizeram a sua prisão, o pintor confessou ter matado Carlos Júnior, também conhecido por Mudinho, mas não havia se pronunciado sobre as outras vítimas. Ele apenas afirmou que um dos crânios humano encontrado em sua casa foi pego em um cemitério.
Carlos, a única das vítimas já identificada, era homossexual e estava aposentado por conta de uma surdez de nascença. De acordo com o delegado Édilzo Correia de Lima, a polícia trabalha com a hipótese de que uma moradora da região, também homossexual e que já está desaparecida há meses, seja uma das outras pessoas encontradas na residência.
O delegado ressaltou, no entanto, que tanto Júnior quanto a mulher desaparecida eram usuários de drogas. Para ele, o fato de ambos serem homossexuais pode mascarar a real motivação do crime, que ainda não foi esclarecida. Correia de Lima disse que ainda é prematuro afirmar de que se trata de um assassino em série.
Renata está desaparecida desde janeiro; família procura por ela na região (Foto: Arquivo Pessoal)

Mais restos mortais 
Renata está desaparecida desde janeiro; família
procura por ela na região (Foto: Arquivo Pessoal)
Além disto, familiares de uma mulher desaparecida encontraram, por conta própria, nesta segunda-feira, novos restos mortais na casa do pintor. A estudante carioca Renata Christiana Pedrosa Moreira, de 33 anos, desapareceu em janeiro deste ano. Ela morava com uma companheira em um apartamento também na região do Jabaquara. Usuária de drogas, costumava comprar entorpecentes para consumo próprio na favela onde o pintor vivia. Os dois, no entanto, não se conheciam, garante a família.Cansada de esperar pelo trabalho da polícia que, segundo ela, afirmava que Renata estava viciada em crack e morando na rua, na manhã desta segunda-feira (28), ela e a nora compraram uma pá e decidiram entrar na casa do pintor para ver se encontravam alguma pista ou pertence da estudante.Desde o desaparecimento da filha, Maria de Fátima Pedrosa começou o que classificou como "trabalho de detetive" ao lado da nora. Juntas, elas deram início a uma grande busca em paralelo às ações da polícia. Como o último registro do GPS do celular de Renata apontava para a região da favela, elas decidiram concentrar os esforços na área.
Utilizando a ferramenta e também as próprias mãos, elas cavaram e vasculharam a residência até encontrar objetos, como calcinha e meias, e também restos mortais. Nenhum dos itens, no entanto, foi reconhecido pelos familiares como de Renata.
"Só vou acreditar [que a filha está entre as vítimas] se eu vir alguma coisa dela, ou o DNA, que ainda vai ser feito. Se eu vir o celular ou alguma joia que ela estava... Qualquer coisa assim. Até que me provem o contrário. O que escavamos foi pele, ossos de algum tempo. Nada que provasse que minha filha estava ali", afirmou Maria de Fátima.
Mãe pediu para filho se entregar
O assassinato de Carlos Júnior, que acabou permitindo a localização dos outros corpos, ocorreu na noite da última quarta-feira (23) na residência localizada na Rua Professor Francisco Emídio da Fonseca. Segundo a polícia, o pintor confessou ser o responsável pela morte e se entregou após um telefonema da mãe.
A polícia chegou ao imóvel após uma denúncia e localizou o corpo de Júnior enterrado em um cômodo da casa. A mãe do acusado, que mora em frente, informou ter visto a vítima e o filho entrarem juntos no imóvel. Segundo ela, o pintor saiu da residência na manhã de sexta e não voltou mais. A pedido dos policiais, a mãe e a irmã do suspeito ligaram para ele e o homem decidiu se entregar, segundo o boletim de ocorrência.
Beco onde fica a casa do pintor suspeito pelas mortes (Foto: Will Soares/G1)Beco onde fica a casa do pintor suspeito pelas mortes (Foto: Will Soares/G1)

Em depoimento, o suspeito disse que Júnior entrou em sua casa com uma faca na mão na companhia de outro rapaz. Segundo ele, após uma discussão, a vítima o esfaqueou no braço. Ele conseguiu tomar a faca de Júnior e começou a golpeá-lo. O rapaz que estava com o jovem fugiu durante a briga, de acordo com a versão do acusado.
Ao perceber que a vítima estava morta, o pintor afirmou ter se desesperado e decidido enterrar o corpo. Ao realizar a perícia no imóvel por causa do assassinato, foram localizados ao menos três cadáveres e uma ossada.
A Polícia Militar achou também roupas manchadas de sangue, uma faca, um soco inglês, e um celular, que foi reconhecido por uma manicure de 33 anos como sendo de sua irmã, que está desaparecida. Segundo ela, o boletim de ocorrência ainda não havia sido registrado.
Por estar com ferimentos no braço e na perna direita, o pintor foi encaminhado ao Hospital São Paulo, onde foi medicado antes de ser levado à delegacia. A perícia foi realizada e todo o material encontrado no imóvel, apreendido. O caso foi registrado no 16º Distrito Policial, na Vila Clementino.
Fonte G1 São Paulo

Nenhum comentário:

Postar um comentário