Este espaço é seu anuncie aqui! 87 9 9962-6354 / 9 8164-4420

Garanhuns Bijuterias e Bianca Bijoux.

Garanhuns Bijuterias e Bianca Bijoux.

GF Presentes e Variedades Vendas em Atacado e Varejo.

GF Presentes e Variedades Vendas em Atacado e Varejo.

Informamos que Simulador de direção é obrigatório para tirar CNH.

Informamos que Simulador de direção é obrigatório para tirar CNH.

Casa do Côco.

Casa do Côco.
Rua Melo PeIxoto, 79 CeNtro Garanhuns PE

Rua do Ipiranga, 143 Boa Vista Garanhuns PE.

Rua do Ipiranga, 143 Boa Vista Garanhuns PE.

Volte a Sorrir Garanhuns PE.

Volte a Sorrir Garanhuns PE.

Rua Joaquim Nabuco 33 Centro Garanhuns PE.

Rua Joaquim Nabuco 33 Centro Garanhuns PE.

Motorista capacitado, há dez anos em transporte de universitários.

Motorista capacitado, há dez anos em transporte de universitários.

terça-feira, 22 de março de 2016

Água de esgoto pode ser aproveitada

Estação de tratamento fica na Imbiribeira / Diego Nigro/JC Imagem


Parceria entre governo e iniciativa privada dá os primeiros passos nesse sentido
Do JC Online


Num mundo em que a expressão “crise hídrica” é pronunciada com uma frequência cada vez maior, descobrir formas de reaproveitar a água, evitando seu desperdício, é uma pauta inadiável. A boa notícia, no Dia Mundial da Água, que é celebrado hoje, é que um passo nesse sentido está sendo dado pelo programa Cidade Saneada, do governo do Estado, em parceria com a iniciativa privada, representada pela Odebrecht Ambiental. O projeto prevê o aproveitamento da água de esgoto para uso nos próprios serviços de manutenção da rede. 
A ideia é tratar o esgoto separando o que é sólido do líquido, e depois purificar o resultado. Com isso, obtem-se uma água que não é potável, mas que é utilizada nos serviços de desobstrução da própria rede de esgoto. Antes disso, a tarefa exigia o uso de água própria para consumo humano. Com essa atividade, a economia que o sistema tem por dia é de 100 mil litros de água, o que equivale ao consumo diário de 700 pessoas. O resultado da purificação do esgoto também pode ser usado em tarefas domésticas como jardinagem e lavagem de calçadas, mas ainda está restrito às próprias estações da Compesa. Atualmente, existem duas unidades de tratamento de esgoto no Grande Recife: na comunidade de Dancing Days, no bairro da Imbiribeira, na Zona Sul da capital, e em São Lourenço da Mata. 
O processo dura cerca de nove horas e envolve muita química e engenharia. O esgoto bruto, vindo das residências, chega à estação e passa pelo processo conhecido como gradeamento, onde ficam retidos os objetos sólidos encontrados na rede. São sacos plásticos, roupas, preservativos, absorventes, entre outros. De lá, passa para o equipamento conhecido como RAFA, ou reator anaeróbico de fluxo ascendente. É um compartimento fechado, onde bactérias que não precisam de oxigênio tratam de decompor as impurezas do esgoto. O material segue, então para quatro filtros biológicos, e de lá para a estação elevatória de esgoto. O penúltimo passo é o pavilhão de desinfecção, onde cada mil litros de água de esgoto recebem 40 quilos de um cloro especial. A partir daí, está pronto para abastecer os caminhões-pipa. Cada veículo tem capacidade para 3 mil litros, valor que é suficiente para seis desobstruções diárias da rede. Para encher o tanque vazio de um caminhão são necessários cinco minutos.
A utilização da água de reúso é uma tendência em países desenvolvidos, mas que ainda está engatinhando no Brasil. “É preciso uma tubulação específica para esse tipo de efluente, o que demanda um grande investimento em estrutura. Ou seja, falar disso, no Brasil, não é nem para médio prazo: é para muito longo prazo mesmo”, afirma o diretor de novos negócios da Compesa, Ricardo Barretto. Segundo ele, seria preciso uma mudança na legislação das próprias construções, que teriam de se adequar à nova realidade, com outra tubulação em seus projetos.
Mas há a boa notícia. O governo está mapeando pontos onde existe uma grande demanda por água que não seja necessariamente potável, como os pólos industriais, que realizam lavagens pesadas e resfriamento de máquinas de grande porte. “É o caso do Porto de Suape, no Litoral Sul, de Goiana, na Zona da Mata, e até mesmo do pólo têxtil do Agreste, em Toritama e Santa Cruz do Capibaribe. Estamos estudando como podemos levar a água de reúso para esses locais. A economia seria enorme”, acrescenta Barretto. A tendência é que a própria Compesa passe a utilizar a água em suas próprias dependências.

Nenhum comentário:

Postar um comentário