Este espaço é seu anuncie aqui! 87 9 9962-6354 / 9 8164-4420

Local do Som Equipadora e Auto Center.

Local do Som  Equipadora e Auto Center.
Garanhuuns-PE

Garanhuns Bijuterias e Bianca Bijoux.

Garanhuns Bijuterias e Bianca Bijoux.

Roberto dos Ônibus.

Roberto dos Ônibus.

Casa do Côco.

Casa do Côco.
Rua Melo PeIxoto, 79 CeNtro Garanhuns PE

Rua do Ipiranga, 143 Boa Vista Garanhuns PE.

Rua do Ipiranga, 143 Boa Vista Garanhuns PE.

Rua Joaquim Nabuco 33 Centro Garanhuns PE.

Rua Joaquim Nabuco 33 Centro Garanhuns PE.

Cia da Construção e Madeireira.

Cia da Construção e Madeireira.

King Lanternagem e Pintura.

King Lanternagem e Pintura.

terça-feira, 13 de setembro de 2016

Justiça concede liberdade provisória a acusado na morte de Marcolino Junior




O juiz Hildemar Macedo de Morais concedeu nesta segunda-feira (12) liberdade provisória a Davi Fernando Ferreira Graciano. De acordo com a Polícia Civil, ele foi o mandante do assassinato do jornalista e colunista social Marcolino Junior. O corpo da vítima foi encontrado no dia 18 de abril, na zona rural de Sairé, no Agreste do estado. Ele estava desaparecido desde o dia 16.



De acordo com a decisão, a defesa de Davi alegou que ele é "primário, portador de boa conduta social, trabalhador e possui residência fixa na comarca". O documento informou que "as provas produzidas em juízo trouxeram sérias dúvidas quanto à participação do acusado na empreitada criminosa".

O juiz disse na decisão que "considerando que o senhor DaviI não é suspeito ou acusado da prática de outros delitos, não vislumbro mais presente o risco à ordem pública, ensejando a necessidade de rever a decisão de outrora".

Durante a liberdade provisória, conforme decisão do juiz, Davi Fernando deverá comparecer à comerca até o 15º dia útil do mês, não poderá ir a bares, ingerir bebida alcoólica ou consumir drogas. Davi, segundo o documento, não poderá mudar de casa sem autorização judicial ou ausentar-se de Caruaru sem avisar previamente à Justiça. Além disso, o juiz informou que ele não poderá manter contato com os familiares de Marcolino ou com as testemunhas do caso.
Caso ele descumpra as determinações, a liberdade provisória será revogada, conforme o juiz Hildemar Macedo.

Defesas alegam inocência
As defesas dos dois suspeitos na morte do jornalista Marcolino Junior alegaram que eles não participaram do crime. A audiência instrução foi realizada em 29 de agosto em Caruaru, no Agreste de Pernambuco.

José Cordeiro Menezes, advogado de Davi Fernando - assessor pessoal e suspeito de mandar matar o jornalista - afirmou que "nossa defesa é totalmente negativa de autoria". Ele disse ainda que nenhuma testemunha acusa Davi. Já a defesa de Rafael Leite alega inocência. Segundo o advogado Gustavo Moraes, "nenhuma testemunha reconheceu ele nem a participação dele. Inclusive as testemunhas que estiveram no local do crime, que seria o motel"


Morto a facadas
jornalista Marcolino Junior foi morto a facadas dentro de um quarto de motel em Caruaru, conforme a conclusão do inquérito policial que investigou o assassinato. De acordo com a Polícia Civil, o executor do crime foi o suspeito preso após tentar vender o veículo do colunista social.
O corpo do jornalista e colunista social foi encontrado no dia 18 de abril, na zona rural de Sairé, no Agreste do estado. Ele estava desaparecido desde o dia 16.
A perícia apontou que o suspeito deu um golpe de jiu-jítsu na vítima e cerca de três golpes de faca. A causa da morte foi o "choque hemorrágico causado por ferimento perfuro-cortante". O instrumento utilizado foi encontrado em São Caetano, na casa de uma mulher com quem o suspeito tinha um relacionamento.
Foram encontrados sangue no travesseiro do quarto e nas escadas do motel. Segundo o delegado Marcio Cruz, o corpo da vítima foi transportado no porta-malas do carro do próprio Marcolino. Em seguida, foi desovado em um matagal. "Temos provas concretas para afirmar que [o homem que tentou vender o carro] agiu sozinho dentro do motel. Ele matou e colocou o corpo de Marcolino na mala do carro", ressaltou o delegado.
Assessor pessoal era mandante
A investigação da Polícia Civil também concluiu que o assessor pessoal de Marcolino teria sido o mandante do crime. Segundo os delegados, ele monitorou toda a ação executada pelo outro suspeito preso.
A polícia acredita que um dos motivos para o assassinato foi o interesse do assessor pessoal nos bens da vítima. "Ouvimos [o assessor de Marcolino] e constatamos que ele reclamava constantemente do salário que recebia. Ele se mostrava insatisfeito por receber R$ 200 por semana", informou ao G1 o delegado Marcio Cruz, no início das investigações.
O delegado Bruno Vital informou ao G1 que os dois suspeitos serão processados. "O assessor será indiciado por latrocínio. Já o executor será indiciado por latrocínio e ocultação de cadáver", disse.
G1 Caruaru.

Nenhum comentário:

Postar um comentário