Anuncie aqui!

Anuncie aqui!
QUER ANUNCIAR NO BLOG: E-mail: agresteemalerta@gmail.com Fone: (87) 9 8812-6217 WhatsApp

Clique na imagem para efetuar sua compra.

PRIME RASTREAMENTO E PROTEÇÃO AUTOMOTIVA

PRIME RASTREAMENTO E PROTEÇÃO AUTOMOTIVA

A M SEMENTEIRA - Mudas de hortaliças e legumes

A M SEMENTEIRA -  Mudas de hortaliças e legumes

Jailson Inovattion TV - Clique na imagem para entrar em contato com o vendedor

Cia da Construção e Madeireira.

Cia da Construção e Madeireira.

Stop Lanches o Melhor Lanche da cidade

Stop Lanches o Melhor Lanche da cidade
Org: Maciel.

Rua Joaquim Nabuco 33 Centro Garanhuns PE.

Rua Joaquim Nabuco 33 Centro Garanhuns PE.
Rua Joaquim Nabuco 33 Centro Garanhuns PE.

Maluquinha preço único

Maluquinha preço único
Avenida Santo Antônio, Centro Garanhuns-PE

Rua Melo Peixoto - Centro - Garanhuns - PE - Fone: (87) 9. 9677-5705

Rua Melo Peixoto - Centro - Garanhuns - PE - Fone: (87) 9. 9677-5705

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2019

De acordo com o Tribunal de Contas, Izaias Régis é responsável pela movimentação ilegal dos recursos da educação.


Auditoria especial realizada pelo Tribunal de Contas do Estado, através da equipe técnica da Inspetoria Regional de Arcoverde, tendo como relator o conselheiro Carlos Porto, descobriu graves irregularidades na movimentação dos recursos do Fundef/Fundeb, por parte da Prefeitura de Garanhuns.

O trabalho do TCE teve o objetivo de fiscalizar a aplicação de recursos de precatórios do antigo Fundef, cujos valores, de R$ 30.088,703,21, ingressaram nos cofres da prefeitura em agosto de 2015.

De acordo com o relatório do órgão de controle, o chefe do Poder Executivo em Garanhuns o Sr. Izaias Régis é responsável pela movimentação ilegal de recursos de precatórios do FUNDEF mediante a emissão de cheques, inclusive (injustificadamente) nominais à Prefeitura, ao Fundo Municipal de Saúde e à empresa Nordeste Construção, Instalação e Locação, no valor total de R$ 7.675.130,00

No que concerne a aplicação de recursos do FUNDEB transferidos pela União aos estados e municípios, o Art. 21 da Lei Federal 11.494/07 determina que os recursos devem ser utilizados em ações consideradas como de manutenção e desenvolvimento para a educação pública.

Que fique claro: os recursos do FUNDEB não poderão ser destinados para outra finalidade além da manutenção e desenvolvimento do ensino para a educação básica.

O Tribunal de Contas esclarece que a utilização de recursos vinculados para outros objetivos, mesmo que depois reingressem às suas contas, além de consistir em evidente ilegalidade, acarreta-lhes, no mínimo, na quase totalidade das vezes perdas financeiras decorrentes dos rendimentos de aplicações que deixam de ser lhes creditados, durante o prazo transcorrido até a restituição dos seus valores.

O caso se torna ainda mais grave, uma vez que os técnicos do Tribunal não conseguiram identificar a destinação de R$ 23.124.950,00, valor remanescente do total de recursos do Fundeb anteriormente citados.

Segundo o Tribunal de Contas,  os documentos apresentados pela Prefeitura de Garanhuns não foram capazes de estabelecer o nexo de causalidade entre os recursos transferidos e as notas de empenho apresentadas.

“É considerada prática ilícita por malversação à verba pública a transferência de valores da conta específica para conta única do Tesouro Municipal ou outras contas pertencentes ao Município (“contas de passagem), onde o numerário da União se mistura com verbas municipais, inviabilizando o controle”.

Assim, fica claro mais uma vez que a Prefeitura de Garanhuns não tem utilizado bem os recursos destinados à educação.

Fatos graves já foram constatados pelo próprio Conselho de Fiscalização do Fundeb, pelos vereadores e mais de uma vez pelo Tribunal de Contas.

São milhões que estão em jogo, dinheiro que devia ser aplicado no desenvolvimento da educação e que são utilizados para pagar guardas municipais, auxílio funerário e outros fins que constituem flagrante ilegalidade.


Milhões – que o próprio Tribunal confessa que nem sabe onde entrou, como foi aplicado o dinheiro.

A Prefeitura de Garanhuns deve explicações ao TCE,  aos professores, aos técnicos da educação, aos estudantes, aos pais dos alunos, aos vereadores e à população da cidade.

Não é possível que o dinheiro da educação seja usado de forma ilícita ou suma sem que nem mesmo a inspetoria do Tribunal de Contas consiga saber de que forma foi utilizado.

Tudo isso coloca a atual gestão sob suspeita. Falta transparência, faltam explicações, falta respeito ao dinheiro público.

Estamos falando de milhões. Um milhão, 30 milhões, 23 milhões. São muitos recursos usados, segundo o Tribunal, de forma irregular, ou que não se sabe sequer como foram utilizados.

Isso tem de ser esclarecido de uma vez por todas. A prefeitura de Garanhuns precisa comprovar que tem administrado de forma honesta os recursos federais que são repassados para a educação do município.

Um comentário:

  1. Em quanto tá acontecendo isso ele está em Portugal é mole desviando dinheiro e os pai de familia a maioria todos desempregado Meu Deus que Brasil de corruptos é esse

    ResponderExcluir

QUER ANUNCIAR NO PORTAL Ligue 87 9. 8812-6217