Anuncie aqui!

Anuncie aqui!
QUER ANUNCIAR NO BLOG: E-mail: agresteemalerta@gmail.com Fone: (87) 9 8812-6217 WhatsApp

Clique na imagem para outras informações

Sombra Celular nesse você pode confiar

Sombra Celular  nesse você pode confiar

A M SEMENTEIRA - Mudas de hortaliças e legumes

A M SEMENTEIRA -  Mudas de hortaliças e legumes

Cia da Construção e Madeireira.

Cia da Construção e Madeireira.

Rua Joaquim Nabuco 33 Centro Garanhuns PE.

Rua Joaquim Nabuco 33 Centro Garanhuns PE.
Rua Joaquim Nabuco 33 Centro Garanhuns PE.

Maluquinha preço único

Maluquinha preço único
Avenida Santo Antônio, Centro Garanhuns-PE

Rua Melo Peixoto - Centro - Garanhuns - PE - Fone: (87) 9. 9677-5705

Rua Melo Peixoto - Centro - Garanhuns - PE - Fone: (87) 9. 9677-5705

quarta-feira, 1 de julho de 2020

TRF-5 mantém bloqueio de recursos do Governo de Pernambuco para tratamento de diabetes

Portal de Prefeitura

A Segunda Turma do Tribunal Regional Federal da 5ª Região (TRF-5) manteve o bloqueio de R$ 8.957,20 nos cofres do Estado de Pernambuco para custear o tratamento médico de uma paciente com Diabetes Mellitus Tipo I.

Em decisão unânime, o TRF-5 negou o provimento a recursos do Governo do Estado contra decisão proferida pela 9ª Vara Federal de Pernambuco. O relator do processo foi o desembargador federal Paulo Roberto de Oliveira Lima.

“O que os autos demonstram é a manifesta recalcitrância do Estado de Pernambuco em cumprir o seu mister, qual seja, o cumprimento da decisão judicial e o fornecimento da medicação. Tudo que foi dito até então não resta alterado em face da circunstância alegada pelo Estado de Pernambuco de que a pandemia do Coronavírus inviabilizaria a constrição. Em verdade, não é assim. As consequências dessa pandemia, que atinge a todos indistintamente e que pode causar sim, é certo, abalo nas forças do erário, não mudam a necessidade de cumprimento das decisões judiciais, sobretudo as anteriormente já prolatadas e ainda desobedecidas”, escreveu o relator.

O desembargador federal Paulo Roberto ainda citou precedentes do próprio TRF-5 e do Superior Tribunal de Justiça (STJ).

“É obrigação do Estado, compreendidos aí todos os entes políticos que compõem o sistema federativo, garantir a saúde dos cidadãos, competindo-lhe proporcionar o tratamento médico adequado, bem como fornecer os equipamentos e medicamentos excepcionais, ainda que não constantes da lista do SUS, quando comprovada a necessidade de sua aplicação no caso concreto. Esse entendimento, inclusive, já fora esposado por este Tribunal e pelo STJ”, frisou o desembargador no acórdão.

Por fim, o relator avaliou como correta a decisão do juiz federal ao definir o bloqueio dos recursos para garantir o cumprimento da ordem para fornecer o medicamento.

“Na hipótese dos autos, em que o descumprimento da determinação judicial põe em risco à própria vida do autor da ação originária, pode o magistrado determinar as medidas necessárias para que se efetive a medida acautelatória, como o bloqueio das verbas públicas, consoante aplicação analógica do art. 139, IV, CPC/15, in verbis: O juiz dirigirá o processo conforme as disposições deste Código, incumbindo-lhe: IV – determinar todas as medidas indutivas, coercitivas, mandamentais ou sub-rogatórias necessárias para assegurar o cumprimento de ordem judicial, inclusive nas ações que tenham por objeto prestação pecuniária”, descreveu o desembargador Paulo Roberto de Oliveira Lima.

Contudo, participaram do julgamento do agravo de instrumento os desembargadores federais Paulo Cordeiro e Leonardo Carvalho em sessão virtual realizada no dia 9 de junho. O inteiro teor do acórdão foi publicado no Processo Judicial Eletrônico (PJe), no dia 11 de junho.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

QUER ANUNCIAR NO PORTAL Ligue 87 9. 8812-6217