Anuncie aqui!

Anuncie aqui!
QUER ANUNCIAR NO BLOG: E-mail: agresteemalerta@gmail.com Fone: (87) 9 8857-0534 WhatsApp

Clique na imagem para outras informações

A M SEMENTEIRA - Mudas de hortaliças e legumes

A M SEMENTEIRA -  Mudas de hortaliças e legumes

Cia da Construção e Madeireira.

Cia da Construção e Madeireira.

Rua Joaquim Nabuco 33 Centro Garanhuns PE.

Rua Joaquim Nabuco 33 Centro Garanhuns PE.
Rua Joaquim Nabuco 33 Centro Garanhuns PE.

Maluquinha preço único

Maluquinha preço único
Avenida Santo Antônio, Centro Garanhuns-PE

Rua Melo Peixoto - Centro - Garanhuns - PE - Fone: (87) 9. 9677-5705

Rua Melo Peixoto - Centro - Garanhuns - PE - Fone: (87) 9. 9677-5705

quinta-feira, 7 de janeiro de 2021

Pandemia: 47 municípios pernambucanos já pediram prorrogação do estado de calamidade pública

 

Folha PE

Por meio de autoconvocação, os parlamentares da Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe) decidiram suspender o recesso legislativo constitucional e retomam os trabalhos na próxima terça-feira para aprovar os decretos que prorrogam o estado de calamidade pública nos municípios e no Estado de Pernambuco por mais 180 dias. Na prática, a medida visa viabilizar condições fiscais aos gestores, entre eles vários prefeitos que acabaram de assumir os seus mandatos, para adotar medidas urgentes no combate à pandemia da Covid-19. Na terça, ocorrerá a reunião remota para instalação do período extraordinário. Já na quarta-feira, as prorrogações do estado de calamidade serão votadas nas comissões de Constituição, Legislação e Justiça; Finanças, Orçamento e Tributação; e Administração Pública. A reunião plenária para a aprovação dos projetos está prevista para ocorrer na próxima quinta-feira. Até ontem, 47 municípios já haviam solicitado a prorrogação de 180 dias, entre eles Camaragibe, Garanhuns e Petrolina. 

“As dificuldades persistem, por isso, é necessário agilizar a aquisição de equipamentos, insumos, todo o material necessário e as medidas preventivas para manter a população segura. Foi uma decisão unânime dos 49 deputados e deputadas, buscando facilitar o trabalho daqueles que estão na linha de frente, combatendo a Covid-19 e salvando vidas”, afirmou o presidente da Alepe, deputado Eriberto Medeiros (PP). Ele frisou também que os órgãos de controle externo concordam com a iniciativa que promove segurança fiscal para a ação dos gestores. O líder da oposição na Alepe, deputado Antonio Coelho (DEM) destaca que essa causa é suprapartidária. "Tanto o Governo do Estado, como os municípios, precisam desse instrumento jurídico para tocar a máquina pública nesse momento. Estamos diante da possibilidade de uma segunda onda, com muitas despesas extraordinárias, além do desafio de vacinar a população em massa. Estamos em um momento de enorme desafio de arrecadação seja de ICMS, seja de ISS, que está muito aquém do normal. 

A economia ainda está voltando para o patamar anterior, por isso precisamos desse instrumento e nós da bancada de oposição enxergamos essa necessidade", destacou. Antonio enfatizou ainda que as dificuldades para enfrentamento à pandemia estão presentes em todo o estado e o desafio de vacinação será um desafio para todos os municípios. "Não é uma questão de interior, nem tampouco de cidade pequena ou grande, todo município vai enfrentar esses desafios de vacinação e despesas difíceis de medir de antemão. Além disso, é preciso manter o nível da educação, da segurança e da saúde com menos recursos. 

Todos os prefeitos vão precisar de flexibilização orçamentária para promover os serviços à população", disse. No entendimento do líder do governo, deputado Isaltino Nascimento (PSB), a medida tem como meta, também, ajudar a população, que vem lidando com o vírus desde março de 2020. "É uma contribuição do Poder Legislativo para minimizar as consequências advindas da Covid-19 para o povo pernambucano. Nós, independentemente do recesso, realizamos a autoconvocação para colaborar para que os municípios e o Estado possam promover ações voltadas para o enfrentamento do vírus", pontuou. Para Isaltino, o novo prazo de 180 dias é "razoável", uma vez que é esperado que dentro desse prazo o acesso à vacina esteja viabilizado. "Tomara que nesse período tenhamos vacinação para o Brasil, Pernambuco, mas se não ocorrer, lá para maio avaliaremos o que será possível em uma nova prorrogação", afirmou.




Nenhum comentário:

Postar um comentário

QUER ANUNCIAR NO PORTAL Ligue 87 9. 8812-6217