Anuncie aqui!

Anuncie aqui!
QUER ANUNCIAR NO BLOG: E-mail: agresteemalerta@gmail.com Fone: (87) 9 8812-6217 WhatsApp

Clique na imagem para outras informações

Sombra Celular nesse você pode confiar

Sombra Celular  nesse você pode confiar

A M SEMENTEIRA - Mudas de hortaliças e legumes

A M SEMENTEIRA -  Mudas de hortaliças e legumes

Cia da Construção e Madeireira.

Cia da Construção e Madeireira.

Rua Joaquim Nabuco 33 Centro Garanhuns PE.

Rua Joaquim Nabuco 33 Centro Garanhuns PE.
Rua Joaquim Nabuco 33 Centro Garanhuns PE.

Maluquinha preço único

Maluquinha preço único
Avenida Santo Antônio, Centro Garanhuns-PE

Rua Melo Peixoto - Centro - Garanhuns - PE - Fone: (87) 9. 9677-5705

Rua Melo Peixoto - Centro - Garanhuns - PE - Fone: (87) 9. 9677-5705

sábado, 21 de setembro de 2019

Baixa temperatura na madrugada pode ser causa da morte de caprinos e ovinos no Sertão de Pernambuco


Criadores do Sertão de Pernambuco estão preocupados com as mortes nos rebanhos de caprinos e ovinos. A região tem registrado temperaturas baixas durante a noite e nas madrugadas e os animais estão sofrendo com o frio. Seu Ananias Francisco Neto lamenta os prejuízos. De junho até agora, 28 animais morreram de forma misteriosa. “Este ano não tive a renda, porque pra mim, a renda era os animais. Não tive e gastei muito com remédio, com ração. Gastei muito”, afirma o criador. Mesmo com comida e água de sobra para os animais, o que não acontece em períodos de seca, os criadores estão vendo o rebanho morrer. No povoado de Caroá, na zona rural de Petrolina, cerca de 500 mortes já foram registradas, prejudicando 300 criadores. “Eu cuido deles direito, eu tenho o maior cuidado de dar a ração pra eles, de botar milho e o capim. Tem uma roça de capim, eles estão comendo capim, eles estão dentro do capim e, todo dia de tarde, eu dou a palma pinicada, dou farelo, eu tenho cuidado, e a água na roça, tem a água pra eles todo dia e toda hora”, diz o criador José Delmiro de Souza, sem entender o motivo da morte dos animais. Segundo seu José, o rebanho está todo vacinado. 

“Estão vacinados, já venho vacinando, está com uns três meses daí pra cá que eu venho vacinando de 20 ou 30 dias eu vacino”, diz o criado, completando que vem percebendo algumas mudanças na criação.

“Eu percebi diferente, assim, agora com essa friagem aí eu percebi que os bichos amanhecem o dia encolhido, assim uns mais do que os outros, arrepiados. Aí teve alguns que não reage, não dá cria quando está amojada às vezes, e aí morre. Tá morrendo, né, perde peso e, na perdição de peso a gente dá remédio e aí parece que não tem condição de ir em frente, de jeito nenhum”, lamenta Nos últimos dias o Sertão tem vivido uma situação incomum. 

O mês de setembro costuma apresentar temperaturas mais altas. No entanto, durante as noites e nas madrugadas, os termômetros têm marcado, no máximo, 18 ou 20 graus, o que é considerado bem frio na região e isso pode afetar os animais. De acordo com o médico veterinário da Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf), Alexandre Mota, os bodes e carneiros podem ter dificuldades de manter a temperatura natural do corpo. "As baixas temperaturas estão mais relacionadas, de forma geral, a morte de animais jovens. Principalmente entre os ou até 28 meses após o nascimento. Nas regiões mais frias do país, por exemplo sul e sudeste, a principal causa de mortalidade animais jovens, cabritos e borregos, é justamente uma enfermidade, um complexo que a gente chama de Complexo de Hipoterminanição, que é quando o animal não tem reserva energética pra conseguir manter a temperatura corporal e, dessa forma, a morte pode ocorrer por dois fatores: um são as condições climáticas desfavoráveis, ou seja, temperaturas muito baixas. E outra é quando os animais nascem muito magros, com baixo peso ao nascer, assim eles perdem muito calor", explica o veterinário. Segundo o especialista, a baixa temperatura pode ter relação com as mortes dos animas na zona rural de Petrolina, no entanto, é preciso fazer uma série de exames para confirmar. " É necessário nesses casos, de mortalidade de grande quantidade de animais, em várias propriedades, uma investigação com os proprietário. O exame clínico dos animais, a coleta de amostra de sangue, urina e fezes, para exames complementares. 

O exame dos animais mortos para a necrópsia, a coleta de órgão de tecidos de animais mortos, para fazer exames, que a gente chama de histopatológicos. Só diante de todas essas informações é que a gente pode chegar a um diagnóstico, se foi só a condição climática ou outra enfermidade".


Nenhum comentário:

Postar um comentário

QUER ANUNCIAR NO PORTAL Ligue 87 9. 8812-6217